Demissão de diretor do Sintusp é inaceitável

Publié le par Fórum da Ocupação

Demissão de diretor do Sintusp é inaceitável
No começo de novembro, a Reitoria da Universidade de São Paulo demitiu Claudionor Brandão por justa causa. Brandão é dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), e foi demitido no cumprimento de deliberações das assembléias de sua categoria. Tudo indica que seu afastamento tem caráter político, sendo um primeiro passo (quase que um ensaio para testar as entidas docentes, discentes e de trabalhadores) para desmontar os movimentos organizados da USP que lutam em defesa da universidade pública.
 
Não é de hoje que dirigentes universitários estão privatizando gradualmente as universidades públicas, só não foram mais longe na sanha privatista, tendo em vista a resistência de funcionários, estudantes e parcela dos professores. A USP, que é a mais autoritária e antidemocrática de todas as universidades públicas brasileiras, cujo Estatuto remonta em muito desde os tempos da Ditadura, vem dissolvendo o seu caráter público e social há anos. É nesse diapasão, que desde a Ocupação, em 2007, que a Reitoria, na figura da professora Suely Vilela – um dos piores reitores da história da USP, cuja mediocridade assusta quando pensamos tratar-se de dirigente máximo da principal universidade brasileira –, e apoiada na alta cúpula dirigente, vem agredindo sistematicamente o livre direito de organização e manifestação da comunidade universitária, com particular ênfase para os setores mais resistentes e combativos. Tal postura reflete o desejo, bastante coerente com a mentalidade dos gestores da Universidade de São Paulo, de eliminar qualquer oposição ao projeto de privatização da Universidade. Até porque esse projeto atende a interesses de boa parte de professores que integram o CO (Conselho Universitário – órgão máximo da Universidade), que na sua maioria tem ligações com fundações ou empresas do setor privado, isso sem falar nos famigerados grupos de pesquisa, encastelados na Universidade como verdadeiras microempresas atendendo a interesses particulares;
 
Foi no combate à destruição do caráter público da USP, que Claudinor Brandão foi demitido – não por acaso afastado no mês de dezembro, período em que a Universidade fica esvaziada por conta das férias escolares, sendo, portanto, tênue qualquer tentativa de resistência pela comunidade universitária. Mais uma vez, essa esperteza e falta de ética são coerentes com a mentalidade dos gestores da USP, que nem mais ficam rubros, uma vez que virou hábito. Nesse sentido, é inaceitável a demissão do diretor do Sintusp, Claudionor Brandão, seja porque ela se inscreve no marco da criminalização dos movimentos sociais que campeia por todo o Brasil, seja porque foi demitido no exercício de mandato sindical e no cumprimento de deliberações das assembléias da categoria. Pelo que vem acontecendo no Brasil, e pelo que a história nos diz, caso essa demissão torne-se efetiva, o que virá em seguida é o desmanche de todas as entidades representativas de funcionários, professores e estudantes que não sejam dóceis com pessoas como Suely Vilela, João Grandino Rodas, Silvio Savaya etc, ou que não sejam dóceis com o projeto que coloca a universidade contra a vida e a serviço do capital. Assim, este blog, que não tem ligações com o Sintusp ou Claudionor Brandão, reitera que é inaceitável a agressão levada a termo pela Reitoria da USP.
 
Abaixo segue o link para o blog que pede a readmissão de Brandão, bem como o abaixo-assinado criado por seus colegas reivindicando sua recondução ao cargo:
 
 

Abaixo-assinado contra a demissão de Claudionor Brandão

No dia 09/12/08, a reitoria da Universidade de São Paulo alegou demissão por justa causa a Claudionor Brandão, diretor do SINTUSP e representante eleito dos funcionários no Conselho Universitário. Essa medida faz parte de um processo de perseguição e punição a setores do movimento operário, estudantil e de movimentos sociais. Brandão fez parte, em diversos momentos, das lutas em defesa da universidade pública e da educação de qualidade e é por esse motivo que agora a reitoria da USP tenta colocá-lo na cada vez mais longa lista de demitidos políticos pelo país a fora.

Como delegado sindical e diretor do SINTUSP eleito em fóruns da categoria, Brandão sempre esteve à frente da defesa dos interesses do conjunto dos trabalhadores da universidade, se pautando em deliberações legitimamente tomadas pelos trabalhadores em suas assembléias e instâncias de decisão. Por tudo isso, as entidades, associações e movimentos abaixo-assinados REPUDIAMOS A DEMISSÃO do diretor do SINTUSP Claudionor Brandão. Trata-se de um ataque duríssimo à liberdade de organização sindical e política dos trabalhadores, estudantes e ao próprio SINTUSP. Exigimos a REINCORPORAÇÃO IMEDIATA E INCONDICIONAL de Claudionor Brandão aos quadros da universidade e a retirada de todos os processos administrativos e sindicâncias aos estudantes, trabalhadores e professores que lutaram em defesa da universidade.

Favor enviar adesões para: sintusp1@terra.com.br
com cópia para
contraademissaodobrandao@yahoo.com.br

Commenter cet article