Tese da chapa CHAPULETANDO (História)

CHAPULETANDO O V CONGRESSO


Eis que o V CONGRESSO da USP chegou. Reivindicado pelos estudantes e funcionários durante a Ocupação da Reitoria em 2007, este evento, que ocorrerá do dia 26 a 30 de maio, tem como objetivo “discutir e deliberar sobre propostas que visem à democratização da estrutura e do funcionamento da USP”, visando elaborar diretrizes e um plano de lutas para a realização de uma Estatuinte democrática no lugar do Estatuto atual, herança dos tempos da ditadura e cheia de remendos nefastos.

A CHAPULETADA é a chapa de estudantes não ligados a grupos políticos da História que disputará a eleição para delegados no departamento. Sim, apesar do esforço do CAHIS em não divulgar as eleições, elas ocorrerão na semana que vem.

A CHAPULETADA é um grupo que surge na busca de resgatar o histórico da Ocupação, as suas lutas, bem como os debates lá travados sobre o Congresso, o Estatuto da USP e o papel da Universidade. Mais do que no Congresso em si, a luta por um outro projeto de Universidade deve ser construída em amplos debates e com participação de todos. Para podermos radicalizar as reivindicações, é preciso antes radicalizar as nossas próprias práticas e formas de fazer política.

Para alcançar tais objetivos, nós nos propomos a:

Tentar obter delegados no V Congresso não visando ampliar nossa influência neste, mas sim garantindo a pluralidade de pensamentos - como ocorreu na Ocupação - fundamental para a transformação da “Universidade que Temos para a Universidade que Queremos”. A idéia é que os delegados sejam totalmente submetido às discussões e propostas dos estudantes de História, não tendo a liberdade de agir por conta própria. Estaria obrigado a dialogar antes, durante e depois do Congresso sempre que for requisitado. Dessa forma, ampliaria-se ao máximo a divulgação e promoção dos debates em torno do V CONGRESSO. Isso evitaria a clássica situação em que os representantes eleitos se encastelam, agem de acordo com os interesses mesquinhos do seu grupo político, ignorando os estudantes que, não estimulados ao debate, se lixam para a situação da Universidade.

Dessa forma, pretendemos lutar por uma plataforma de participação máxima no V Congresso - tomando como ideal um Congresso com direito de voz e voto para todos os membros da comunidade USP e com poder deliberativo. Nos propomos a defender todas as instâncias que forem nesse sentido: garantir a abertura dos GTs e a participação de todos os interessados. Nesse sentido, brigar em prol de uma vasta divulgação tanto das atividades pré-congresso (o que não ocorreu até agora) como dos debates deste e dos seus resultados.

Partindo do princípio de que a importância e força reais do V Congresso são a participação estudantil e o debate entre iguais, sem posições pré-fornecidas nem vozes de autoridade, nós nos propomos a, independentemente da obtenção ou não de delegados, promover durante todos os dias do congresso atos paralelos, a serem realizados na central de informações deste (a ser montada em uma das colméias) abertos a todos interessados em discutir a conjuntura do Congresso, da Estatuinte, e da Universidade.


CHAPULETAR as tradicionais práticas e ações políticas do ME. CHAPULETAR a USP como universidade elitista, conservadora, de costas para a sociedade e as reais demandas deste país!